Retrô: A Próxima Vítima (Globo)

'Sou vitimaaaaaaaaaa... AU!' :DRelembre uma das melhores telenovelas já produzidas pela TV brasileira

Os anos 90 foram um período bem estranho em nossa TV. Desde o fim da ditadura, em meados do fim dos anos 80, uma verdadeira onda liberal varreu a programação. Isso gerou frutos para o bem e para o mal. Se a liberdade foi a deixa para o surgimento de programas popularescos e excessivamente apelativos, foi também fator contribuinte para uma nova fase em nossa teledramaturgia: a era dos temas polêmicos. Como pontapé inicial dessa era, podemos destacar a excelente Vale Tudo (Globo, 1988), de Gilberto Braga – novela essa, aliás, que imortalizou o “Quem matou?”, tão clichê nas tramas atuais, com a morte de Odete Roitmann. Anos mais tarde, em 1995, uma outra novela destacou-se seguindo essa linha de mistério. Porém, a coisa não se resumia à identidade do assassino: o suspense dava o tom porque qualquer um poderia ser também A Próxima Vítima! :)

.

Lançada pela Rede Globo em março de 1995, A Próxima Vítima (novela de Silvio de Abreu, dirigida por Jorge Fernando) estreou com a missão de levantar a audiência do horário, rebaixada por sua antecessora (Pátria Minha, de Gilberto Braga). Apesar do início morno, a trama acabou por cair no gosto do público e foi um grande sucesso. Lembro que tinha apenas 11 anos na época, mas não perdia um só capítulo. (Pra falar a verdade, até a reprise eu fiz questão de assistir. :P )

A história iniciava com a estridente Francesca Ferreto (Tereza Rachel) descobrindo o adultério cometido pelo marido, Marcelo (José Wilker). Este tinha uma outra família com sua amante, a dona de pizzaria Ana (Suzana Vieira). Marcelo era ainda executivo do Frigorífico Ferreto, comandado a mãos de ferro por Filomena (Aracy Balabanian). E, para terminar, tinha ainda um caso com a aparente angelical Isabela (Claudia Ohana), sobrinha da dita-cuja. Um verdadeiro pega-pra-capar rola na família, até que Francesca aparece dada como morta. Junto com ela, morre envenenado o advogado Hélio Ribeiro (Francisco Cuoco), pai de Irene (Viviane Pasmanter) – uma jovem estudante de direito metida a detetive. Enquanto ela, movida pela curiosidade, investiga a morte de seu pai, outros assassinatos acontecem. Neles, um fato comum: as vítimas recebem uma misteriosa lista do horóscopo chinês antes de morrer.

A Próxima Vítima, ainda que não estivesse livre dos clichês e situações típicas do gênero – como o triângulo amoroso formado por Ana, o feirante Juca (Tony Ramos) e a bonitona do Morumbi Helena (Natália do Valle) –, inovava por ter como pilar de sua trama principal uma história policial intrincada e complexa – ao menos para os padrões novelescos. Além do suspense provocado pelo assassino e as vítimas, não faltaram temas polêmicos à história. Silvio de Abreu abordou a questão das drogas, com o personagem Lucas (Pedro Vasconcelos); a homossexualidade, com Sandrinho (André Gonçalves) e Jefferson (Lui Mendes); a prostituição por opção, com Quitéria Quarta-Feira (Vera Holtz) e ainda o amor com grande diferença de idade, representado em nada menos que três casais. Esta foi também a primeira novela a apresentar uma família de classe média alta composta somente por negros.

Vários foram os bons destaques da novela. O maior de todos talvez tenha sido Aracy Balabanian, que deu à sua Filomena Ferreto um tom de “Don Corleone de saias”. Outra atriz de destaque foi Claudia Ohana, que passou por poucas e boas com sua diabólica Isabela. Como ponto negativo, a pífia interpretação dos atores mais jovens e os fracos conflitos pelos quais seus personagens passaram – uma característica, aliás, das novelas de Silvio de Abreu.

Outro ponto de destaque foi sua abertura, uma das mais bacanas e coerentes já produzidas pela equipe de Hans Donner. Bem melhor que muita coisa que a gente vê no ar hoje… :P

Entre as cenas de maior destaque, podemos citar o super barraco na pizzaria, logo no segundo capítulo. A doidona Francesca não poupou nem o aquário! :) Vale relembrar também o escândalo no casamento de Diogo (Marcos Frota) e Isabela; a conversa cabeça entre Ana e seu filho gay; o dia em que Filomena renegou Isabela; a série de assassinatos e, é claro, a seqüência onde a personagem de Claudia Ohana era esfaqueada no rosto por Marcelo – que só foi aparecer no YouTube bem há pouco tempo.

O último capítulo, exibido em 4 de novembro de 1995, obteve média de 64 pontos de ibope, com picos de 70. Mais de 85% dos televisores ligados à época acompanharam o desfecho da trama, cuja média geral foi de 52 pontos – igual à de O Rei do Gado, última novela a ostentar um índice tão alto assim. Na versão exibida nesse dia, o assassino era Adalberto (Cecil Thiré). Porém, na reprise exibida em 2000 no Vale a Pena Ver de Novo, o assassino fora Ulisses (Otávio Augusto).

Hoje, em tempos de classificação indicativa – algo sequer sonhado naquela época –, talvez A Próxima Vítima perderia muitas de suas melhores cenas. Tanto é que sua versão reprisada em 2000 foi alvo de vários cortes. O maior deles, certamente, foi a total exclusão da cena da facada na cara. Os caras cortaram o corte! (Rá, rá, rá. :P )

Enfim, por subverter certas regras do folhetim eletrônico e dar maior importância a uma boa história do que a simples melodramas amorosos, A Próxima Vítima é, facilmente, uma das melhores telenovelas brasileiras de todos os tempos – sendo reconhecida por isso até mesmo internacionalmente. Como dificilmente veremos uma nova reprise, relembre um pouco dessa fascinante trama assistindo aos vídeos disponíveis no YouTube. E agora já chega, pois tem uma mira querendo parar aqui na minha direção. Sai pra lá! :D

Avaliação: Excelente!

.

Com informações da Wikipedia e do site Teledramaturgia.

Imagem do post: montagem sobre imagens de divulgação da TV Globo.

_

Leia também: O Jesus do SBT, O que é “Caminhos do Coração”?

_ _ _

About these ads

16 Responses to “Retrô: A Próxima Vítima (Globo)”


  1. 1 Francisco 25 janeiro, 2008 às 8:55 am

    Ixi, em 1995 eu assistia ainda os Cavaleiros do Zodíaco, Castelo Rá-tim-bum e etc, rs. Mas enfim, não preciso falar de novo sobre a minha opinião sobre novelas e sobre a Globo. Ontem mesmo assisti ao documentário “Muito além do cidadão Kane”, sobre Roberto Marinho e suas manipulações, hauhau. T+

  2. 2 Rodrigo Budrush 25 janeiro, 2008 às 9:01 am

    Engraçado que, naquela época, eu passei incólume à febre dos Cavaleiros do Zodíaco. Sério! :D
    Mas Castelo Rá-tim-bum eu assistia, e achava muito legal! E esse documentário é antológico… :)

  3. 3 Rael 25 janeiro, 2008 às 9:59 am

    O problema é que agora toda novela do Gilberto Braga tem sempre essa temática no final, e daí aguenta a Globo tentando inflar a audiência, mostrando no Jornal Nacional gente fazendo bolão pra adivinhar quem é o assassino, e outras coisas ridículas.

  4. 4 Paulo Cesar 26 janeiro, 2008 às 10:11 am

    É mesmo Rael :D
    E eu era um pouco mais velho que vc Budrush, tinha 12 anos na época. Também gostei dessa novela, era diferente. E adorava os Cavaleiros tb! :D

  5. 5 Bonilha 28 janeiro, 2008 às 9:46 am

    Essa novela era do baralho!
    Eu curtia o opalão do assassino, que até fiquei triste quando caiu penhasco abaixo (como toda cena de carro-acidentado-explodido da Globo, a coisa foi um lixo). A barraca do Juca feirante, até hoje é ponto turístico no Mercadão, inclusive com indicação e tudo mais.
    O casal gay teve tanta polêmica que os atores levaram um pau dos diabos nas ruas.
    Enfim, polêmica não faltou nessa novela. Mas, o que mais marcou era que os assassinos (pois mudava a cada exibição nos outros países) nunca eram óbvios, coisa batida hoje em dia.
    Aliás, rolou bolões para identificar o serial killer naquela época, não rolou?
    Abraços

  6. 6 Rodrigo Budrush 28 janeiro, 2008 às 10:15 am

    Rolou bolão sim, Bonilha — como em toda novela assim, aliás.
    Tudo que você falou é verdade, incluindo os “defeitos especiais” (isso realmente nunca foi o forte da Globo, basta lembrar da explosão do shopping de Torre de Babel:P ).

  7. 7 andre 3 fevereiro, 2009 às 6:51 pm

    ola

    foi sem sombra de duvida a melhor novela que vi ate hoje, a melhor de todos os tempos, a grande obra prima da globo, a partir dai passei a seguir com mais atencao o elenco e as novelas do silvio

    foi uma producao sublime, cenario de sau paulo que eh uma cidade que eu adorava conhecer, a banda sonora, toda a historia, os crimes, o carro, os personagens marcantes, sem esquecer os temas que foram abordados, a lista do horoscopo chines

    vi duas vezes, mas acho que aqui em portugal passou tres vezes, duas na sic generalista, e outra na sic gold, um canal por cabo

    ja nao vai haver nenhuma melhor que essa, a favorita foi fantastica, mas a proxima vitima vai ser senpre a numero um

    cada vez que oico falar nela, ou vejo algo, sinto uma grande nostalgia

    lembro me de a proxima vitima, como se fosse hoje, ainda sei o nome da grande maioria dos personagens

    tinha onze anos, e esses tempos tambem me trazem muito boas recordacoes

    ainda hoje tento sempre encontrar algo sobre a novela na internet, fiquei fascinado com ela mesmo

    aqui em portugal a novela tambem deu muito que falar, foi demais,

    abracos

    Andre

  8. 8 Diana Tello 31 agosto, 2009 às 12:54 pm

    UNA NOVELA QUE DESDE EL PRIMER CAPITULO HASTA EL FINAL NOS MANTUVO EN SUSPENSO, LA ACTUACION, DE CADA UNO DE LOS ACTORES ERA DE PRIMERA, LA DIRECCION PERFECTA, LA MUSICA, TODO. LA MEJOR. LA MUSICA DE PRMERA, LOS ESCENARIOS PERFECTOS, PODIA UNO VER UNA Y OTRA VEZ SIN CANSANCIO, EN MI CASA LA HEMOS VISTO TRES VECES, SI LA VOLVIERAN A PASAR LA VOLVERIAMOS A VER MAGNIFICA.

  9. 9 Ivison Alexandre de Mendonça 16 novembro, 2009 às 3:15 pm

    eu tinha 6 anos na época. a primeira novela das 8 que eu lembro ter assistido e gostei bastante eram cenas muito bem feitas. Assisti a reprise em 2000 para poder entender melhor a novela já que com 6 anos não preseti muita atenção, mas valeu a pena uma grande novela com uma história intrigante ótimos atores principalmente a Tereza Rachel,fazendo sua inesquecível Francesca Ferreto, a Filomena vivida pela Araci Balabanian, a Isabela de Cláudia Ohana o opala do assassino enfim deixa saudades, mas em uma época em que as novelas da Globo estão tão ruins quem sabe eles reprisam uma terceira vez ne? tenho esperanças!!

  10. 10 Miriam 20 novembro, 2009 às 12:33 pm

    Eu lembro pouco da novela porque na epoca em
    que foi exibida eu era muito nova, mas recordo
    algumas cenas, como por exemplo o assassino, que
    foi o Cecil Thiré.
    Gostaria de ver novamente a reprise,mas
    acredito que infelizmente nao deve ser mais possivel,
    já que ja foi reprisada.

    Abs.

  11. 11 mozart israel de oliveira quintino 19 abril, 2010 às 2:27 pm

    eu tinha apenas 3 anos na epoca em que passou essa novela,mas eu me lembro muito bem,do que eu mais me lembro era da rivalidade do marcelo(jose wilker)com a isabela (claudia ohana)e tambem eu me lembro das miras da novela,morria de medo dessas miras,pois eram muito explosivas e fortes e eu tambem morria de medo de atuar nessa novela.que velhos bons tempos foram esses porque marcou a minha infancia porque ela tambem passou a reprise em 2000 e eu tambem assisti.

  12. 12 Gustavo 19 abril, 2011 às 1:56 pm

    Agora que a Globo lançou na TV paga o Canal Viva, que se dedica a reprisar programas e novelas de sucesso de várias épocas, quem sabe possamos rever A Próxima Vítima um dia. E na íntegra, o que é melhor.

    A Próxima Vítima foi excelente mesmo. A melhor novela do Sílvio de Abreu no horário nobre, com Rainha da Sucata logo atrás. Poucas vezes vi uma história tão bem construída e tão envolvente como esses assassinatos. E eu também não suporto essa era da classificação indicativa. Isso acabou com as novelas de vez. Se tornaram monótonas, sem sal, excessivamente certinhas. Remédio pra insônia.

    Aliás, eu soube que a cena em que o Diego enche a Isabela de pancada no casamento foi abreviada também na reprise, e que na versão original a surra foi mais longa. Pois é, essa versão da cena eu até hoje não vi.

  13. 13 nicenoronha@yahoo.com 30 junho, 2013 às 3:35 pm

    Eu também vi essa trama, mas só foi em 2000, na reprise … na época eu tinha só 5 anos e não percebia muita coisa … vou ver na íntegra no Canal Viva

  14. 14 IRMA 5 fevereiro, 2014 às 5:29 pm

    QUANDO SERA O FIM DESTA NOVELA NO CANAL VIVA REPRISE


  1. 1 Retrô: os programas infantis da Cultura nos anos 90 « budrush.com Trackback em 29 maio, 2008 às 6:35 pm
  2. 2 Retrospectiva 2008 - Televisão « budrush.com | diversão + reflexão Trackback em 18 dezembro, 2008 às 11:05 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




AddThis Feed Button

AddThis Social Bookmark Button


Twitter Budrush

Vale a Pena Ler de Novo


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: